AJUDE A MANTER O BLOG, CLIQUE NAS PROPAGANDAS

Pará terá seu primeiro terminal de gás natural liquefeito



O Executivo Estadual e a Norsk Hydro assinam no Palácio do Governo, o acordo de viabilização para a implantação do primeiro Terminal de Regaseificação de Gás Natural Liquefeito (TGNL) no Estado. Com a criação desse terminal, o gás natural estará disponível no Pará como um serviço público, em princípio para as indústrias e para a frota local de veículos. A Norsk Hydro é um conglomerado industrial norueguês com empresas ativas no campo da produção de alumínio e de energia renovável.

Segundo o secretário de estado de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia (Sedeme), Adnan Demachki, o gás natural possui vantagens ambientais, como menor emissão de gases do efeito estufa que os derivados de petróleo e que o carvão, maior competitividade do ponto de vista econômico, além de ser mais barato (entre 20% a 40%) que a gasolina.

“Mais que um combustível, o gás natural é uma espécie de motor que contribui para a competitividade da economia do Estado, que além de oferecer ao usuário um combustível mais limpo e de maior qualidade, também será um fator de atração de novas indústrias e de uma ou duas usinas termelétricas de grande porte, que já estão se estruturando para participar dos leilões de energia da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)”, afirma o secretário.

Nesta iniciativa, a Norsk Hydro – antiga Alunorte – assume um papel importante enquanto consumidor âncora de gás natural, o que constitui um ponto de partida para a implantação do Terminal de Gás Natural Liquefeito (GNL) em Vila do Conde, município de Barcarena, a 70 quilômetros de Belém.

“Os desafios para trazer o gás natural para o Pará são grandes, tanto pela nossa posição geográfica como pelo custo logístico do transporte desta fonte energética”, observa o diretor de Energia da Sedeme, Cláudio Conde.

A implantação de um terminal de GNL é uma solução arrojada do ponto de vista técnico, empresarial e de governo, e implicará em investimentos que chegam a R$ 400 milhões no Terminal, além de diversos outros paralelos, podendo passar de R$ 3 bilhões com a implantação de uma usina termelétrica movida a gás natural.

A parceria inédita será firmada no Palácio do Governo, com a presença de dirigentes do poder público, da iniciativa privada e da diretoria executiva da Hydro, que na oportunidade também estará inaugurando seu novo espaço empresarial em Belém.

GNL – O Gás Natural Liquefeito é um combustível com aplicações diversas: automóveis, residências, comércio, indústrias. O GNL apresenta algumas vantagens ambientais como fonte energética, se comparado com outros combustíveis fósseis (carvão mineral e derivados de petróleo): possui menos contaminantes que outras fontes de energia; produz uma combustão mais limpa, com menor quantidade de emissões de CO2; maior facilidade de transporte e manuseio; não requer estocagem; proporciona maior segurança em caso de vazamento, por ser mais leve do que o ar, e se dissipa rapidamente pela atmosfera, favorecendo o uso doméstico.

(Agência Pará/Tylon Maués)